Top 20 – 1980/1989 (7ª parte)

O Passo do Lui (1984), Os Paralamas do Sucesso.

Os Paralamas do Sucesso mal tinham estourado no verão de 1985 com Óculos e lá estavam eles escalados para tocar no Rock in Rio. Matéria tipo RJTV com o Pedro Bial mostrava os rapazes andando pelas ruas, admirados com um pôster deles numa loja, e tocando o tema de James Bond pra expressar a tensão pré-festival.

E no dia D subiram naquele palco enorme de bermudas e, como objeto cênico, uma singela palmeirinha, que não passou despercebida do comentário maravilhado de Caetano Veloso no pós-show.

Se em seu disco de estréia já tinham dado uma mão aos colegas da Legião Urbana ao gravar Química, no Rock in Rio a ajuda foi pro Ultraje à Rigor, com uma versão sensacional de Inútil.

A banda cantou e tocou como gente grande, e fez a platéia pular e cantar como as grandes estrelas do festival. Foi, de fato, uma apoteose, agora disponível em DVD.

O sucesso da banda ao vivo transformou O Passo do Lui num dos mais importantes discos de rock dos anos 80, talvez só perdendo pra Revoluções por Minuto do RPM, que mostrou a todos que o rock brasileiro podia soar como os estrangeiros. Não me esqueço do meu primo, Marcelo Paulino, delirando ao descrever Juvenília. Na verdade, só minha preferência pessoal pelas bandas desse post e um certo envelhecimento dos arranjos do RPM me fizeram tirá-lo desse top 20. Seguramente ele é o 21º disco.

O antigo lado A do vinil traz 5 eternos sucessos radiofônicos: Óculos, Meu Erro, Fui Eu, Romance Ideal e Ska. Do lado B, como era comum naqueles tempos, só Mensagem de Amor dá sequência aos grandes sucessos, mas Me Liga e Assaltaram a Gramática, de autoria e com a participação de Lulu Santos e Waly Salomão, não deixam a peteca cair. Só as duas últimas, Menino e Menina e a instrumental faixa título ficaram no esquecimento.

Óculos ao vivo no 1º show deles no Rock in Rio (o DVD é um registro do 2º show).

*****

Legião Urbana (1984).

Com um empurrãozinha dos colegas de sarau de Brasília, Renato Russo e sua turma tiveram a chance de gravar seu primeiro disco. Intitulado simplesmente de Legião Urbana, eles entram de sola desfilando a trilha sonora de uma geração e alguns símbolos marcantes da mitologia da banda, como o desenho do Congresso Nacional e a frase em latim Urbana Legio Omnia Vincit.

Inicialmente, havia incluído na lista apenas o Dois (já resenhado). Mas aí resolvi revisitar esse disco. O frescor e vitalidade de A Dança não me deixaram dúvidas: a magia ainda estava no ar. Além desta, canções como Teorema, Petróleo do Futuro e O Reggae são tão poderosas quanto outras mais conhecidas (e batidas) como Será, Ainda é cedo, Geração Coca-Cola, Soldados e Por Enquanto. Só mesmo Baader-Meinhoff Blues e Perdidos no Espaço parecem ter resistido menos ao teste do tempo. Como ficar indiferente a uma obra dessas?

De certa forma, eu fiquei. Justamente quando ela foi lançada. Radical, torcia o nariz pra tudo que tocava em rádio. O próprio Paralamas só me dobrou com a performance no Rock in Rio. Lendo as letras do encarte na casa de um vizinho, especialmente a de Geração Coca-Cola, percebi que aquilo tinha qualidade. Mas ainda implicava com aquele jeitão meio Jerry Adriani do Renato Russo cantar.

O Reggae no programa Perdidos na Noite, quando o Faustão ainda estava na Band e o Dado Villa-Lobos ainda não tinha aprendido a solar.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Rock Brasil, Top 20 - 1980/1989, Top Top

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: