Arquivo para 08/08/2017

Caetano 75

08/08/2017

98374537-f200-43b4-a384-9e34ce7cf800.jpg.640x360_q75_box-144,0,1121,550_crop_detail

Lá em casa a gente escutava MPB desde criança por causa do meu pai, mas ele não curtia os baianos. Só Gal Costa teve vez por causa da minha irmã. Da Maria Bethania, creio que só um mísero disco. Bem, e aquele ao vivo com o Chico Buarque. Mas é porque lá era “Chico fã clube”. Chico e Elis Regina, acima de tudo, seguido de Vinícius de Moraes com Toquinho e Baden Powell. De Caetano Veloso, com Caetano, só conhecia Alegria, Alegria e Leãozinho.

Gilberto Gil também não entrava, embora conhecesse muito mais canções de Gil, que tocavam no rádio e na TV. E, claro, a épica Domingo no Parque, que tínhamos em um vinil com uma coletânea de canções da época dos festivais, a qual incluía Alegria, Alegria.

Meu irmão foi quem furou um pouco o “bloqueio” e comprou dois discos dele, Outras Palavras e Cores, Nomes, que eu não parei pra escutar até chegar à faculdade. Só fui parar mesmo pra ouvir Caetano na época do programa Chico & Caetano na Globo.

Na faculdade, houve a virada. Era um fã de Chico em meio a uma horda de fãs de Caetano. No final da faculdade, ouvi de um colega, Hugo Sukman, que eu era quem tinha razão: enquanto todo mundo falava do baiano, eu dizia que o bom era Chico. Frase com a qual ele passou a concordar. A ironia é que eu já havia passado completamente pro time de Caetano.

O bom do Chico dos anos 70 é que ele não tapava buraco. Nenhuma faixa estava ali por acaso. Assim como nenhuma frase em suas músicas estava ali só pra fechar a estrofe. Mas depois desandou. Diziam que o combustível de Chico era a rebeldia política. Finda a ditadura, Chico caiu na mesmice com alguns rompantes de inspiração.

Caetano, por sua vez, ainda que tenha sido atingido pela pasteurização dos anos 80, sempre foi inquieto, um experimentador. Assim, nunca envelheceu. De tempos em tempos encontrava um veio musical e o explorava até esgotar. Se os fracassos de Caetano fazem ranger os dentes e estourar a paciência do ouvinte, seus sucessos são revigorantes. Caetano é uma fênix que renasce antes mesmo de se tornar cinzas.

Hoje, tenho toda a discografia de Caetano (exceto um ou outro ao vivo), Mas, de Chico, só até o disco da samambaia (em CD, pois em vinil tinha ido um pouco mais longe, comprando “Vida” e “Almanaque”).

Ainda hoje, aos 75 anos, Caetano pode soar tão jovem quanto a última revelação da temporada.

Anúncios