Archive for the ‘Cat Power’ category

Top 20 – 2000/2009 (7ª parte)

19/11/2011

You are free (2003), Cat Power.

Se tivesse feito essa lista há uns meses atrás, provavelmente esse disco ficaria de fora. Já falei dele aqui. De lá pra cá, o disco cresce a cada audição. Repetindo o que disse antes, You are free é um disco agradável, diversificado, e que conta com a participação instrumental de Dave Grohl (Nirvana, Foo Fighters) e de uma fantasmagórica participação de Eddie Vedder (Pearl Jam) em duas faixas. É o mais próximo que Cat Power consegue chegar de um disco solar.

Top 20 – 2000/2009 (4ª parte)

09/11/2011

The Greatest (2006), Cat Power.

Fazia tempo que ouvia falar de Cat Power, mas nunca tomava a iniciativa. Até que me mostraram uma versão dela de Wonderwall; adorei! Fui totalmente no escuro a The Greatest, não lembro se na ilusão de ser uma coletânea. De qualquer forma, foi um daqueles golpes de sorte: foi paixão à primeira audição. The Greatest me revelou uma voz sensacional, de repertório variado, arranjos delicados, produção sofisticada e som cristalino. Minha esposa chegou a ficar com ciúme, mas teve sua vingança: ela deu show no Circo Voador no mesmo dia em que havíamos marcado a celebração do aniversário dela (o que o amor não faz…).

Tão contente fiquei, que fui pras origens, discos dos anos 90: Moon Pix e The Covers Record (de cujo bootleg havia saído a versão de Wonderwall). Confesso que fiquei desapontado. Os discos eram monótonos, monocórdios e desanimados. Então resolvi ir para frente, pro disco posterior, Jukebox, também de covers, e percebi que esta década foi muito mais abençoada para Chan Marshall (a cabeça, voz e membros por trás de Cat Power).

The Greatest no programa do Jools Holland.

Hágalo usted mismo (2006), Los Tres.

A banda de rock chilena Los Tres acabou em 2000 e anunciou sua volta em 2006. Tive aquela impressão de volta caça-níqueis após carreiras solo decepcionantes. Só quem não topou foi o ex-baterista, Francisco Molina, que se tornou uma referência no circuito jazz chileno. Mas eis que o disco de retorno, Hágalo usted mismo, revelou-se uma grata surpresa.

Com uma ajuda na produção do amigo Emmanuel Del Real, do Café Tacvba, o disco está entre os melhores da banda. Com produção acima dos discos dos anos 90, eles apresentam 10 canções com a mistura de rock e música popular chilena que marcou o som da banda desde o 3º álbum de estúdio, La Espada & La Pared.

Link para a divertida faixa título aqui, em mais um vídeo bizarro típico de Los Tres.

We Shall Overcome: The Seeger Sessions (2006), Bruce Springsteen.

Primeiro disco de covers de Bruce Springsteen. O roqueiro quase sessentão (na época) decidiu mergulhar no universo sonoro de Pete Seeger, o mesmo que tentou cortar os fios dos instrumentos de Bob Dylan a machadadas, responsável pela popularização de diversas músicas do folclore americano. A maioria sem autor conhecido, músicas tradicionais, executadas com muita paixão.

Bruce deixou um pouco de lado a E Street Band, com quem havia voltado a tocar em 2000, juntou um grupo de músicos pouco conhecidos e a esposa, Patti Scialfa, e se enfurnou numa fazenda para ensaios. O resultado, em gravação relâmpago, deu origem à Bruce Springsteen with the Sessions Band Tour, com a adição de mais músicos e a troca do tocador de banjo.

A turnê foi registrada em seu final, no DVD Live in Dublin, gravado no The Point. Cerca de 10 faixas do disco eram tocadas ao vivo, mescladas a outros covers e clássicos de Bruce, só que totalmente rearranjados pra encaixar no universo musical folk. Growin’ Up, por exemplo, só é reconhecível pela letra. Open all night, uma canção de Nebraska pela qual se passa batido, torna-se um grande momento do show. E são 18 músico no palco, dançando, cantando, trocando de instrumento, muito bem ensaiados para o deleite do público. E todos têm seu momento de brilho.

O Mary don’t you weep ao vivo em Dublin.

You are Free

04/02/2011

You are free (2003), Cat Power

Tive a sorte de conhecer a banda de Chan Marshall pelo cd The Greatest (2006). Uma obra-prima. Os famosos Moon Pix (1998) e The Covers Record (2000) já não me empolgaram tanto, muito monocórdios e arrastados. Voltei aos anos mais recentes com Jukebox (2008) pra constatar que a Cat Power mais atual me agrada muito mais. Se não fosse a dica de uma boa amiga, uma pérola perdida no meio do caminho ia passar despercebida: You are free é um disco agradável, diversificado, e que conta com a participação instrumental de Dave Grohl e de um quase imperceptível Eddie Vedder.