Archive for the ‘Guns N’ Roses’ category

Top 20 – 1980/1989 (3ª parte)

25/02/2012

Darklands (1987), The Jesus and Mary Chain.

Há poucos anos, quando o Orkut era “a” rede social no Brasil, recebi a mensagem de um amigo da faculdade, Luís Eduardo de Almeida Leal, que, então, morava em São Paulo (e ainda deve morar): “você é o Flávio Andrade da PUC, fã de The Jesus & Mary Chain?”

Acho que foi o maior elogio que alguém me fez. Ok, já me fizeram outros elogios antes (e depois), que sempre recebo com estranha timidez e desajeitamento. Mas ser identificado como um fã de JMC, ou melhor, ser destacado do resto da multidão por isso, pareceu-me ser o melhor que poderia esperar da vida. Vai entender…

E o álbum Darklands, o 2º da banda, e minha paixão por ele, tem muito a ver com isso. Não há um acorde desse disco que não me cause arrepios. Na época eu tinha ojeriza a qualquer coisa parecida com bateria eletrônica, e talvez por isso tenha demorado anos pra eu perceber que eles usaram o aparelho na gravação. As letras são extremamente “dark”, tudo a ver comigo entre 89 e 91. Sem as microfonias do álbum de estréia, Psychocandy, Darklands realçava toda a beleza melódica da banda escocesa.

Eu podia recitar Darklands, a música, de trás pra frente. Dançar Happy when it rains como um rato de laboratório condicionado toda vez que ela tocava. Hoje, About you e Deep one perfect morning são minhas favoritas. E On the Wall e April Skies continuam sendo hits atemporais.

Vídeo de Happy when it rains.

*****

The Joshua Tree (1987), U2.

Há tantas coisas a falar sobre The Joshua Tree… Por onde começar?

Conheci a banda em 1985, mas só fui me apaixonar por U2 em 1986, assistindo ao VHS de Under a Blood Red Sky na casa do meu primo Sérgio. Portanto, meu 1º lançamento do U2 foi o Joshua Tree.

O primeiro contato foi na academia Ortocenter, em Jacarepaguá. Estava tocando With or without you, que foi a música de trabalho por aqui. O Bono nunca tinha usado a voz grave antes, e eu podia jurar que era Echo & the Bunnymen. Mas não era possível estar tocando Echo na rádio. Então perguntei: que música é essa? Resposta: “não conhece? É a nova do U2!” Mas hein?!

Casa-pai-dinheiro-loja-disco do U2- casa. Botei o vinil pra tocar e achei tudo muito estranho. Gostei de cara de Where the streets have no name, I still haven’t found what I’m lookin for e, claro, With or without you. Mas não achei aquilo com muita cara de U2. Bullet the Blue Sky achei horrorosa, mas Running to stand still voltou a me acalmar. Não desgostei de nenhuma música do lado B, mas, no geral, só In God’s Country tinha me alçado às alturas. Mas U2 é assim, a banda não faz música chiclete, que gruda no ouvido em 1ª audição. Depois de 2 semanas em contato com aquele vinil, eu estava completamente abduzido e viciado (exceto por Bullet, que continuei não gostando – pra isso foi necessário vir o Rattle & Hum).

Where the streets have no name, Running to stand still e One Trill Hill são minhas favoritas, assim como as versões ao vivo do filme Rattle & Hum de With or without you e  Exit. O mergulho dos irlandeses do U2 nas raízes da América deu origem a um dos mais belos álbuns de todos os tempos. Mas ainda acho que eles perderam a oportunidade de fazer uma belíssima capa, só com a foto da árvore-título.

Minha amiga Kalu costuma dizer que meus olham brilham ao ouvir essa música. Outro grande elogio, com certeza! Assim como Darklands, The Joshua Tree é um daqueles disco que me definem.

Where the streets have no name ao vivo no show de ano novo, em 1989/1990, no Point Depot, Dublin.

*****

Appetite for Destruction (1987), Guns’n’Roses.

É muito estranho escrever sobre Appetite for Destruction como um disco do mesmo ano de Darklands e Joshua Tree, uma vez que demorou um pouco pra Sweet Child O’Mine estourar no Brasil. Antes disso, um show do Guns’n’Roses costumava passar na TV. Cheguei na sala e vi meu irmão assistindo àquela banda de tatuados. “O que é isso?”, perguntei. “Não sei, mas é legal”, respondeu.

Gostei da cover de Knockin’ on Heaven’s Door, mas achei estranho o vocalista estar sem voz no meio do show. O meu 2º contato com os caras foi a participação de Axl Rose e Izzy Stradlin num show dos Rolling Stones na Filadélfia, na turnê do Steel Wheels (“esses caras deve ser mesmo importantes”, pensei). Pouco tempo depois, estaria na 1ª noite do Rock in Rio II pulando enlouquecidamente.

Qualquer um que tinha entre 12 e 22 anos na virada dos anos 80 pros 90 sabe do que estou falando. Era impossível ficar impassível ao fenômeno Guns’n’Roses.

A banda foi abraçada pelos metaleiros da época, que reconheceram na banda qualidade além do rock farofa ao qual havia se reduzido o hard rock no final dos 80. Mas não serviu pra garantir o futuro do rock, por ser considerado um som retrô, com referências aos Stones e ao Aerosmith (pra isso seria necessário o Nirvana).

O disco é um marco, ainda que prefira a versão de You’re Crazy do Lies e lamente a ausência de You could be mine (sim, a música já existia!), minha preferida da banda junto com a canção abaixo.

Sweet Child O’Mine ao vivo no Rock in Rio 2.