Archive for the ‘Inti-Illimani’ category

Top 10 – Coletâneas (parte 3)

27/07/2016
Grandes Exitos

Grandes Exitos (1997), Inti-Illimani.

Os chilenos do Inti-Illimani têm uma Antologia de quatro volumes bastante completa, mas é o Grandes Exitos que mora em meu coração. Esta coletânea pode até ser encarada como uma versão sintetizada daquela, apesar de ter sido lançado uns poucos anos antes.

Quando tive a oportunidade (única para mim) de ver o grupo ao vivo no Teatro João Caetano, acompanhado da Orquestra Sinfônica Brasileira, havia uma barraquinha vendendo fitas e CDs da coletânea, mas, desprevenido, perdi a oportunidade. Uns poucos anos depois, um amigo que trabalhava em uma loja de CD no Downtown me mostrou o disco em promoção: “achei que você ia gostar desse tipo de coisa”.

As 17 faixas selecionadas nem coincidem totalmente com minha preferência, mas permitem uma visão mais ampla da banda. Além disso, o álbum tem uma deliciosa organicidade. Até hoje, mesmo tendo todo o Antologia à mão, prefiro colocar Grandes Exitos para tocar. Com certeza, o melhor cartão de visitas do Inti-Illimani, ou mesmo da música popular chilena.

Top 20 – Álbuns ao Vivo (parte 12)

05/03/2016
Leyenda

Leyenda (1990), Inti-Illimani + John Williams + Paco Peña.

Em menos de uma hora de música, o ouvinte é transportado a outro universo sonoro, tão relaxante que parece new age, só que muito melhor. Depois de lançarem Fragments of a Dream ou Fragmentos de un sueño, em 1987, com o guitarrista de flamenco Paco Peña, um dos maiores do gênero na Espanha, e o violonista clássico australiano John Williams, que fora aluno de Segovia, o grupo chileno Inti-Illimani decide repetir a parceria e partir em turnê com a dupla. O show Leyenda foi registrado em disco na apresentação de 30 de janeiro de 1990, em Colônia, no  Philarmonic Theater.

O entrosamento é tão perfeito que os dois amigos parecem fazer parte do grupo chileno. O destaque do álbum está justamente nas apresentações instrumentais e na colaboração entre eles. Das nove faixas, três delas são cantadas, sem a participação dos violonistas. Sensemaya, com seu intrincado arranjo vocal, e a calmaria de Juanito Laguna remonta um barrilete harmonizam bem com o espetáculo, já Candidos destoa um pouco.

Os pontos altos estão na parceria com Paco Peña no medley Farruca / Huajra e a abertura de John Williams com David of the White Rock à explosão vocal do grupo em La Fiesta de la Tirana.

Mais quatro faixas reúnem todos eles sobre o palco, sendo uma delas uma peça flamenca liderada e composta por Peña, Alondras.

Inti-Illimani pode fazer três tipos de shows distintos: um mais centrado nas composições populares, outro que explora suas habilidades instrumentais, como em Leyenda, ou equilibrando as duas vertentes. Tive a feliz oportunidade de vê-los em ação no Teatro João Caetano em parceria com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Imperdível!

O grupo formado no final dos anos 60 começou a se desmontar no início deste século, cindindo-se em dois grupos: Nuevo Inti-Illimani e Inti-Illimani Histórico. Infelizmente, momentos como aqueles vividos por mim e pela plateia em Colônia não mais se repetirão.

A versão em vídeo de Farruca / Huajra parece que ser de outra apresentação da turnê, mas tá valendo.