Archive for the ‘Sarah Slean’ category

Sarah Slean

16/04/2016
The Baroness

The Baroness (2008), Sarah Slean.

Numa daquelas garrafinhas que as ondas do mar me trazem, veio o nome de Sarah Slean, da série “cantoras que tocam piano” (se for ruiva é bônus). Joguei a rede e veio Night Bugs. Gostei. Joguei de novo e veio The Baroness e Beauty Lives B-Sides.

Sarah Slean é uma cantora, compositora, pianista, poeta e atriz canadense, que faz seus próprios arranjos e volta e meia se apresenta com orquestra ou quarteto de cordas. Sua entrada no Wikipedia é inexplicavelmente enxuta, uma vez que seu som tem um apelo mais pop do que outros artistas alternativos. Talvez o problema seja esse: não seja alternativa demais, nem pop o suficiente. Tecnicamente, não há que por reparos em sua voz, piano e arranjos sempre redondos.

Night Bugs

Night Bugs (2002), Sarah Slean.

Em Night Bugs, seu primeiro álbum em uma grande gravadora (antes havia lançado um EP e um álbum por selo independente), a cantora se mostra bastante versátil, ora apresentando música de cabaré estilo Kurt Weill, como em Eliot, ora mostrando ter bebido na fonte de Tori Amos em Weight e, quem sabe, Fiona Apple em Sweet Ones. Mas seria criminoso reduzir uma artista de tamanha complexidade a suas supostas influências. Sarah pode ser mais intimista ao piano, como em St. Francis, e logo em seguida demonstrar algum humor numa pegada mais pop e dançante, como em Bank Accounts, que encerra o álbum de 2002. Os temas variam do confessional às crônicas urbanas.

Beauty Lives B-Sides

Beauty Lives B-Sides (2010), Sarah Slean.

Já em The Baroness, de 2008, dois álbuns depois de Night Bugs, Sarah surge mais ensimesmada, mas mantendo variação de estilo e climas. Já na coletânea de B-sides, Beauty Lives, ela aparece agarrada ao piano jorrando letras depressivas, aliviadas apenas na última faixa, Glenn Gould Song. Enquanto o dólar não baixa, o jeito é jogar minha rede no mar virtual pra ver se eu pesco Day One (2004) e o duplo Land & Sea (2011).

Vídeo oficial de Get homeMy song ao vivo em Phoenix, 2005; e Duncan, ao vivo no La Zèbre, em Paris, 2013.