Archive for the ‘Manu Chao’ category

Mano Negra (Rock Hispânico parte final)

02/08/2015

Não podia encerrar essa digressão pelo pop/rock hispânico sem falar do Mano Negra. Apesar do grupo ser de origem francesa, seu líder, Manu Chao, tem raízes espanholas. Junto com seu irmão e um primo, formou em 1987 o Mano Negra, uma banda de oito integrantes que mistura que mistura de tudo um pouco: rock, punk, flamenco, ritmos africanos e caribenhos, como reggae e ska. As canções são divididas entre o francês, o inglês, de maior destaque inicialmente, e o espanhol, que acaba prevalecendo mais pro final.

Patchanka (1988), Mano Negra.

Patchanka (1988), Mano Negra.

A estréia discográfica em 1988 com o álbum Patchanka, com composições que Chao já tinha acumulada e não teve a oportunidade de gravar em outras bandas da qual participou. O disco, que traz ótimas faixas como Mala Vida, Índios de Barcelona, Ronde de Nuit, Rock Island Line e Noche de Acción, fez sucesso na Europa.

O sucesso foi consolidado no ano seguinte com Puta’s Fever, considerado o melhor álbum da banda, que traz Pas assez de toi, King Kong Five e uma versão da música árabe Sidi ‘h’ Bibi. O sucesso levou o grupo ao Japão, México e EUA, onde nunca conseguiu grande penetração, apesar das boas críticas.

Puta's Fever (1989), Mano Negra.

Puta’s Fever (1989), Mano Negra.

No álbum de 1991, King of Bongo, o grupo tentou fazer um som mais voltado para o mercado americano, o que gerou algumas críticas. Mas, apesar de mais composições em inglês, há um certo exagero em acusá-los de se afastarem do espírito original. No mesmo ano eles gravam um álbum ao vivo gravado no Japão, In the Hell of Patchinko, no qual tocam um cover de Chuck Berry, County Line.

Foi em 1992 que escutei Mano Negra pela primeira vez, quando tocaram nos Arcos da Lapa em show que fazia parte dos eventos da Rio 92. O show vibrante contou com a participação de Jello Biafra, com quem tocaram I fought the Law (na versão do Dead Kennedys, claro). Aquele naipe punk de metais me remeteu a algumas canções de The Clash. E tudo isso de graça!

Eventualmente o álbum seguinte, Casa Babylon (1994), acabou chegando às minhas mãos com La Vida, Machine Gun, Santa Maradona, Sueño de Solentíname… Infelizmente, a banda original já havia se desintegrado e o Mano Negra acabou.

Clandestino (1998), Manu Chao.

Clandestino (1998), Manu Chao.

Manu Chao seguiu uma bem sucedida carreira solo, deixando de lado a parte do punk rock presente na sonoridade do Mano Negra. Com composições mais direcionadas para o público latinoamericano, Clandestino, sua estréia solo em 1998, foi muito bem recebido pela crítica e pelo público. Chao adotou um estilo cigano, viajando e tocando pela América Latina, inclusive sentando em praças com violão em puno, como fez na Lapa e Santa Tereza, no Rio. A canção Minha Galera foi dedicado ao período que passou no Brasil.

Na sequência, lançou Próxima Estación… Esperanza e o ao vivo Radio Bemba Sound System. Chao não só manteve os temas de sempre (drogas, estilo de vida alternativo, crítica social) como também a mesma sonoridade, tornando a sua música um tanto previsível e repetitiva, a ponto de La Radiolina, lançado em 2007, soar com uma reciclagem dos álbuns anteriores. Poucos anos antes, em 2004, lançou um disco só de músicas em francês, Sibérie m’était contéee, que vem acompanhado de um livro de ilustrações do polonês Jacek Woźniak.

Anúncios